Gastamos muito tempo colados na tela, recebendo novas informações, e pouquíssimo tempo processando e interpretando o que já sabemos, para avaliar, sintetizar conceitos, ponderar e encontrar padrões de evolução.

Fazer-se perguntas com a curiosidade de um menino é muito importante para um gestor hospitalar, que normalmente está frente a problemas de natureza complexa.

Diante do aumento exponencial de informação necessária e disponível, estamos obrigados a focalizar-nos, sintetizar e definir os pesos de cada uma dessas informações e sua incidência sobre nossos objetivos.

Por comodidade, muitas vezes lemos de forma passiva. Ou seja, sem criticar e gerar novas perguntas.

A FORÇA DO POR QUÊ? (WHY)

De todas as perguntas importantes, a fundamental para um líder ou gestor é: Por quê? No nível operacional a pergunta comum é: Como? (HOW). Como se faz isso?

No nível seguinte superior, ou de gerência, a pergunta seria: Quando? (WHEN). Quando temos que realizar essa tarefa? Mas os níveis mais altos de uma organização devem questionar tudo e perguntar-se: Por que temos que fazer isso? Por que dessa forma?

As perguntas fundamentais nos diferentes níveis organizacionais

As perguntas fundamentais nos diferentes níveis organizacionais

Essa pergunta não apenas serve para melhorar nossos processos, mas para explicarmo-nos melhor frente aos demais. Grande parte de nossas discussões e diferenças devem-se ao fato de termos princípios ou visões diferentes. Se estamos em sintonia, ou seja, se queremos o mesmo, será muito mais fácil estarmos de acordo com as estratégias para conseguir o objetivo final.

Uma boa dica é manter um caderno, ou agenda, com um lugar para guardar todas as perguntas que você queira encontrar respostas.

A primeira missão do líder é alinhar os esforços e os objetivos de seus comandados. Colocar as bases de nossos objetivos finais é responder ao Por quê? E explicitar essas respostas a nosso grupo de gestão, discutir sobre os princípios, homogeneizar o mindset e em seguida debater as estratégias dos processos para conseguir os primeiros objetivos, seguramente nos poupará muitos problemas.

Você não encontrará as respostas às perguntas chaves num curto tempo. Algumas respostas necessitam de anos de amadurecimento.
Para expressar visualmente essas ideias, pense que você pega uma folha em branco e começa, através das perguntas, a riscar alguns quadrados sobre a folha. É similar a criar estruturas de pesquisa. Em determinado momento encontrará alguma resposta e, dessa forma, um quadrado estará completo, depois outro e assim por diante. Com uma folha em branco, nunca poderá gerar as respostas, pois sequer procurará.

EXEMPLOS DE PERGUNTAS

• Como me asseguro de estar dando a meu filho uma educação boa e diferenciada?
• Como resolveria se tivesse que viver com 50% dos meus ganhos?
• Que estilo de liderança tenho 95% do tempo e qual gostaria ter?
• Quando darei um basta a determinado tema que me incomoda?

Aliás, colocar limites antecipadamente a alguns assuntos da vida é uma boa prática, pois no momento do problema não temos a mesma perspectiva e quase sempre escorregamos além dos limites de proteção.

EM RESUMO

Aumentando nossa curiosidade e registrando as perguntas para não as perder, orientando-nos a perguntar o porquê, poderemos chegar a um nível de sabedoria maior.

Victor Basso
Diretor de Opuspac Ltda.
Opuspac University (universidade corporativa – braço educacional da Opuspac Ltda)