A cultura de segurança em organizações de saúde é um conceito fundamental para garantir a qualidade do atendimento e a segurança dos pacientes. Com o aumento da complexidade dos cuidados de saúde, torna-se fundamental adotar práticas e princípios que promovam um ambiente seguro e eficiente. As Organizações de Alta Confiabilidade – High Reliability Organizations (HROs) oferecem um conjunto de princípios que podem ser aplicados em organizações de saúde para alcançar altos níveis de segurança e confiabilidade.

As organizações de saúde são consideradas de alto risco, no contexto das HROs, devido a fatores que influenciam diretamente as suas operações e os seus resultados. Aqui estão algumas das principais razões:

  • Natureza Crítica dos Serviços Prestados;
  • Complexidade das Operações;
  • Ambiente Dinâmico e Imprevisível;
  • Diversidade de Condições;
  • Erro Humano;
  • Dependência de Tecnologias;
  • Interações Complexas entre Equipes Multidisciplinares.

Características de uma Cultura de Segurança
Uma cultura de segurança forte é caracterizada por elementos que se inter-relacionam para criar um ambiente onde a segurança dos pacientes é prioritária. Algumas das principais características incluem:

  • Prioridade na Segurança: Em uma cultura de segurança, a segurança é priorizada em todas as decisões e ações. Isso inclui a alocação de recursos, treinamento e desenvolvimento de políticas e procedimentos.
  • Comunicação Aberta: A comunicação clara e aberta é primordial para identificar e resolver problemas de segurança. As equipes devem se sentir confortáveis em relatar erros e eventos adversos sem medo de represálias.
  • Aprendizado Contínuo: As organizações devem estar comprometidas com a aprendizagem contínua e a melhoria constante. Isso inclui a análise de incidentes, auditorias regulares e a implementação de melhorias baseadas em evidências.
  • Liderança Engajada: Lideranças visíveis e engajadas são fundamentais para promover e manter uma cultura de segurança. Os líderes devem demonstrar compromisso com a segurança e inspirar suas equipes a fazer o mesmo.
  • Responsabilização Justa: Uma cultura de responsabilização justa reconhece que a maioria dos erros resulta de falhas sistêmicas e não de indivíduos. As organizações devem focar na melhoria dos sistemas e processos em vez de punir os membros das equipes.

Princípios das HROs

As HROs são organizações que operam em ambientes complexos e de alto risco, mas conseguem manter níveis consistentemente baixos de acidentes e erros. Cinco princípios fundamentais guiam essas organizações:

  • Preocupação com Falhas: As HROs estão constantemente vigilantes para identificar e corrigir pequenas falhas antes que se tornem grandes problemas. Isso envolve criar uma cultura onde os erros são reportados e analisados detalhadamente.
  • Relutância em Simplificar: Em vez de buscar soluções simplistas para problemas complexos, as HROs reconhecem a complexidade de suas operações e buscam entendê-la completamente antes de agir.
  • Sensibilidade às Operações: As HROs mantêm uma consciência situacional elevada, garantindo que todos os membros da equipe estejam atentos às condições reais de trabalho e possíveis riscos.
  • Comprometimento com a Resiliência: A resiliência é a capacidade de responder rapidamente e efetivamente a eventos inesperados. As HROs treinam suas equipes para serem adaptáveis e preparadas para lidar com os eventos inesperados.
  • Valorização da Experiência: Quando surgem problemas, as HROs confiam nos especialistas com mais conhecimento, independentemente de sua posição hierárquica, para tomar decisões críticas.

 

Contribuição dos Princípios das HROs para a Cultura de Segurança

Os princípios das HROs são essenciais para a construção e manutenção de uma cultura de segurança nas organizações de saúde. Estes princípios promovem uma vigilância contínua para detectar e corrigir falhas antes que causem danos, incentivam análises detalhadas e abrangentes de incidentes, desenvolvem a capacidade de resposta rápida e eficaz a emergências e valorizam o conhecimento especializado dos profissionais. A Tabela 1 mostra as principais contribuições.

 

Tabela 1: Contribuições dos princípios das HROs para a cultura de segurança

Princípios das HROs Contribuições para a Cultura de Segurança
Preocupação com o Fracasso Implementa sistemas de acompanhamento contínuo para detectar problemas antes que eles se agravem, promovendo uma cultura de vigilância constante.
Incentiva a notificação de incidentes e quase erros sem medo de represálias, criando um ambiente onde os profissionais se sentem seguros para reportar problemas e colaborar na busca de soluções.
Relutância em Simplificar Promove análises detalhadas e abrangentes de incidentes para identificar todas as causas possíveis, evitando soluções superficiais.
Encoraja a participação de equipes multidisciplinares na análise de problemas, garantindo que múltiplas perspectivas e conhecimentos especializados sejam considerados.
Sensibilidade às Operações Implementa acompanhamento regular da segurança, onde líderes observam e discutem práticas com a equipe, identificando potenciais riscos em tempo real.
Utiliza tecnologias de monitoramento para manter uma vigilância constante sobre os indicadores de desempenho e segurança, permitindo respostas rápidas a quaisquer anomalias.
Compromisso com a Resiliência Oferece treinamentos regulares em resiliência e resposta a emergências, assegurando que todos os funcionários saibam como agir em situações críticas.
Desenvolve e testa regularmente planos de contingência para diversas situações de falha, assegurando que a organização possa manter a continuidade dos cuidados mesmo sob condições adversas.
Valorização da Experiência Estabelece estruturas de decisão que permitem que especialistas tomem decisões rápidas durante emergências, melhorando a precisão e a eficácia das respostas.
Promove uma cultura onde a expertise é respeitada e valorizada, incentivando a cooperação entre diferentes níveis hierárquicos e especialidades.

 

Estudos mostram os resultados positivos alcançados por organizações de saúde após adoção dos princípios das HROs. O artigo Evidence Brief: Implementation of High Reliability Organization Principles destaca reduções significativas nos eventos graves de segurança, variando de 55% a 100%. Por exemplo, a Ohio Children’s Hospital Association alcançou uma redução de eventos graves de segurança de 55%, enquanto o Nationwide Children’s Hospital obteve uma redução de 83%, após dois anos de implementação dos princípios das HROs.

 

Conclusão
A adoção dos princípios das HROs promove um ambiente onde a segurança dos pacientes é priorizada e mantida. Ao integrar preocupações com falhas, relutância em simplificar, sensibilidade às operações, comprometimento com a resiliência e a valorização da experiência, as organizações de saúde podem alcançar altos níveis de segurança e qualidade no atendimento. A implementação desses princípios, apoiada por uma liderança engajada e uma comunicação aberta, cria uma base sólida para uma cultura de segurança sustentável e eficaz.

Autora: BIGOLIN, Fernanda. Doutora em Tecnologias e Sistemas de Informação, escritora, especialista nas práticas e princípios das Organizações de Alta Confiabilidade – High Reliability Organizations (HRO) e em interoperabilidade na área da saúde.